03 de agosto de 2017

Li e recomendo (muito!): Para educar crianças feministas

Cotidiano

Desde que meu sobrinho nasceu, há pouco mais de dois anos, comecei a observar mais atentamente o comportamento discursivo dos adultos diante das crianças. Mais precisamente diante das associações feitas apenas pelo sexo das crianças.

Sendo apenas tia de um menino que ainda faz xixi na fralda, já pude perceber como o machismo é um ato de opressão que começa nos detalhes e está  completamente enraizado socialmente  Não foram poucas as vezes em que conhecidos e até mesmo familiares se referiram ao meu sobrinho como “um futuro pegador”, “que vai ganhar muito dinheiro para bancar tudo”, ou “que vai mostrar o pinto caso alguém lhe diga na rua que é gay”, enquanto via as mesmas pessoas se referirem às meninas da mesma idade como as “princesinhas” que vão “fechar as pernas”, “saber cozinhar” e “ter um bom marido”, amém!

Cheguei a chorar de raiva algumas vezes e fiquei me questionando se queria ser mãe numa sociedade que resume o papel do homem a um provedor, detentor do poder e sexualmente insaciável, e a mulher a uma simples “serva”, subserviente às vontades alheias (masculinas, obviamente), sabe?!

No entanto, ao mesmo tempo em que olhava ao redor e via aquilo se repetindo com os filhos e filhas  de amigas e de conhecidas, pensava: “Se um dia eu for mãe, de um menino ou de uma menina, quero que ambos entendam que homens e mulheres têm igual força na escolha das suas decisões. Quero que sigam seus caminhos olhando o outro de igual para igual. Sempre!”.

Foi dessa forma despretensiosa – e um pouco desiludida – que cheguei ao maravilhoso Para educar crianças feministas – Um manifesto – , de Chimamanda Ngozi Adichie.

Para educar crianças feministas

Para Educar Crianças Feministas – Um Manifesto

Escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de ser mãe de uma menina, Chimamanda destrincha 15 sugestões para criar uma filha feminista.

Longe de ser um livro cheio de regras ou doutrinas, Para educar crianças feministas é de uma leveza singular. De forma muito simples e gentil, a autora nos transporta ao passado e nos mostra como, muitas vezes, fomos – e ainda somos – vítimas de comportamentos machistas que nos acompanham todos os dias, desde formas mais sutis às mais severas.

Para educar crianças feministas 2

Esses comportamentos são tão, mas tão frequentes que já os associamos como “regras sociais” e pronto. Mas não são ou, pelo menos, não deveriam ser encarados de tal forma. No trabalho, na escola, na faculdade ou em qualquer lugar homens e mulheres (em qualquer idade) devem ser reconhecidos pelo que são e não pelo que a sociedade determinou o que era “de menino” ou “de menina”.

Para educar crianças feministas 3

Temas como a escolha das roupinhas, dos brinquedos, do direcionamento da comunicação para com conhecidos e desconhecidos, bem como assuntos sobre identidade pessoal, sexo, casamento, família e escolha da profissão são algumas das abordagens do livro, que defende que a mulher “não deve se preocupar em agradar a ninguém, apenas a ela mesma“.

Para educar crianças feministas 4

São 79 páginas (é bem pequenininho, li em uma hora e meia) de uma sensibilidade que merece ser compartilhada com mães, pais, tios, avós e parentes de meninos e meninas de qualquer idade.

Comprei o meu por R$ 11,90 na Livraria Escariz do Shopping Jardins, aqui em Aracaju, mas dá para encontrar online em livrarias como Saraiva e Cultura.

Alguém aí já leu o livro Para educar crianças feministas? O que achou?

Jéssica Vieira
Jéssica Vieira
01 de fevereiro de 2017

Meus queridinhos de janeiro

Cotidiano

Pela primeira vez na vida, achei janeiro lentinho, acreditam? Acho que tive essa impressão porque consegui aproveitar bem o mês, organizar tarefas e, com isso, prestar mais atenção às coisas ao meu redor. Quando fui organizar os meus queridinhos do mês, por exemplo, nem tive dúvidas. Sabia exatamente quais foram os produtos de que mais gostei e que valiam mesmo a pena serem mostrados aqui.

queridinhos do mês - janeiro de 2017

#Pracegover Foto dos produtos citados no texto dispostos da seguinte forma: acima, óculos de sol com a caixa; abaixo, da esquerda para a direita: livro, lápis para lábios, lavanda e hidratante.

1 – O guia para ser você mesma (Lia Camargo e Melina Souza – Galera Record) – Sei que já falei sobre esse livro no comecinho do ano, mas não poderia deixar de inclui-lo nessa lista. Como o próprio nome diz, é um livro leve, descontraído e prega justamente a necessidade de nos assumirmos como somos e acabou! Textos francos, com dicas e sugestões super válidas. Vale a fofura de cada página mesmo. ♥

2 – Lavanda Johnson’s baby – Um cheirinho que dispensa apresentações, né?! hahaha. Depois de – algumas poucas – décadas, senti a maior saudade dessa lavanda e voltei a usá-la antes de dormir. O cheirinho é relaxante e fraquinho, ótimo para cair no sono feito criança e dormir bem mais tranquila.

3 – Desodorante hidratante de banho com enxágue (Natura) – Eu simplesmente amo passar hidratante depois do banho. Amo. E confesso que, vez ou outra, levava esse hábito par o chuveiro também, com os hidratantes normais.  Acontece que recebi recentemente da Natura essa versão Realce e Nutrição, própria para banho, e simplesmente adorei! Além da função óbvia de deixar a pele mais hidratada, tem um cheirinho frutal delicioso.

4 – Lápis retrátil para lábios cor Natural (Contém 1g) – Quando era adolescente, podia até faltar batom na minha bolsa, mas lápis de boca? Jamais! Adorava preencher os lábios com aquele “batom que não era batom”, sabe? Depois, cismei que só queria usar batom mesmo e, agora, vejam vocês, meu vício está de volta. Para começar, como amo batons clarinhos, comprei essa versão natural e retrátil da Contém 1g. É firme, tem ótima fixação e a cor é puxadinha para um fundo rosado, que acho bem bonito e usável com todos os tons de pele.

5 – Óculos de sol (Rayban) – Sabe aquele momento da vida no qual você encontra sua alma gêmea em forma de óculos escuros? Pois é, encontrei a minha! ♥ Depois de uma tentativa frustrada com outro par da marca (não me adaptei às lentes levemente espelhadas), o vendedor me mostrou esse, que tem um estilo mais retrô, e foi amor à primeira vista. Achei lindo, lindo, lindo em todos os ângulos! :) Fato que é super difícil, já que meu rosto tem um formato super fino e é pequeno, o que deixa todos os óculos sambando MESMO.  Além dessa paixão toda, o melhor: as lentes são super confortáveis e eu me senti super segura ao andar na rua, o que não aconteceu com o anterior. Queridinhos para a vida inteira!

Esses foram os meus queridinhos do mês de janeiro. Gostaram?

Jéssica Vieira
Jéssica Vieira
09 de janeiro de 2017

Li e recomendo: O guia para ser você mesma (estilo, inspiração e beleza)

Cotidiano

A minha formação acadêmica sempre me deixa com os dois pés atrás quando uma editora encomenda livros aos chamados influenciadores digitais (muitos deles blogueiros e/ou youtubers sem qualquer formação em comunicação). Isso porque já dei chance a vários desses exemplares e a decepção foi de doer a alma. Livros sem pé nem cabeça, com público-alvo totalmente incoerente com o trabalho realizado pelo autor (?), nitidamente produzidos com fins comerciais e, pior, sem qualquer coerência de ideias. Como diria uma colega de faculdade, “um verdadeiro pastel de vento”.

Acontece que, no meio dessa desenfreada euforia editorial, ainda há gente talentosa, capaz de colocar no papel muitas ideias que fazem sentido e que precisam, sim, ser compartilhadas. Um exemplo disso são as queridas Lia Camargo e Melina Souza , que recentemente escreveram O guia para ser você mesma (estilo, inspiração e beleza).

o guia para ser você mesma 2

o guia para ser você mesma

Sabe quando um livro reflete verdadeiramente a essência do trabalho de alguém? Na linguagem, nas fotos, nos cuidados com cada informação? É esse! ♥

A Lia foi a primeira blogueira de moda que acompanhei aqui na internet (talvez porque ela esteja na internet desde sempre, né?!hahaha). Sempre fiquei encantada com o jeito doce com o qual ela escreve e com a forma leve com a qual ela compartilha a vida com seus leitores. Já o trabalho da Mel conheci há pouco mais de dois anos, mas, de lá pra cá, sua autenticidade e seu feed do Instagram têm me inspirado diariamente.

o guia para ser você mesma 8

Desprovido de regras e com a identidade de cada uma delas, O guia para ser você mesma é como uma conversa com suas melhores amigas, que cresceram juntas com você e, agora, têm dúvidas que vão além das da escola, sabe?  Há desabafos da vida real, textos sobre sororidade, dicas de moda, de estilo, de fotografia e de culinária. Há sugestões de filmes, séries e livros inspiradores, bem como de viagens e lugares super legais nas cidades mais turísticas do mundo!

o guia para ser você mesma 7

o guia para ser você mesma 4

A história de algumas mulheres inspiradoras é uma das minhas partes favoritas do livro

o guia para ser você mesma 6

Receitinha que já quero fazer <3

Se você quer um livro leve, desses que a gente guarda com muito carinho para ler e reler em várias fases da vida, super recomendo. E recomendo também que vocês acompanhem o trabalho das meninas nos blogs e nas redes sociais!

O guia para ser você mesma é da Editora Record e pode ser adquirido em várias livrarias físicas ou online. Comprei o meu na Escariz do Shopping Riomar por R$ 49,90, mas vi aqui que na Saraiva online está por R$ 29,90! Aproveitem!!!

*As páginas completas do livro não foram exibidas a fim de preservar seus direitos autorais.

Jéssica Vieira
Jéssica Vieira