15 de outubro de 2017

Xingó: um passeio pelos cânions do Rio São Francisco

Viagem

Na ânsia de conhecer o mundo, às vezes, a gente deixa o que está perto para amanhã, para depois, para “quando der”… Eu mesma já cometi esse erro algumas vezes. Uma delas adiando visitar os cânions do rio São Francisco num dos passeios mais lindos – e turísticos – da minha terra: Xingó.

xingó principal - deixemecontar

Fotos: Carol Oliveira

Xingó - cânions do rio São Francisco - Sergipe

Xingó - cânions do rio São Francisco - Sergipe

Antes de falar sobre o passeio em si, gostaria de fazer uma observação que julgo pertinente. Muita gente fala que vai/quer conhecer os “Cânions do Xingó”, mas,  na verdade, os cânions – que são os paredões quase verticais formados por processos erosivos típicos de córregos, rios e riachos – referem-se ao rio São Francisco (o quinto maior rio do mundo e o segundo em extensão navegável). O nome Xingó foi dado à região entre os municípios de Canindé de São Francisco (SE) e de Piranhas (AL), onde está situada a hidrelétrica homônima. Assim, embora se costume dizer que “vai a Xingó”, não existe um município com esse nome, entende? rs #ficaoesclarecimento

xingó - paredões

Paredões

A minha dívida com o turismo local foi sanada graça s a um convite da Nozes Tur, uma empresa de turismo aqui de Aracaju que faz esse passeio diariamente.

xingó - nozes tur - deixemecontar

Nozes Tur

O ponto de partida é a capital sergipana. Às 6h da manhã, a van (pode ser ônibus, depende da quantidade de pessoas) sai da Nozes Tur e passa nos hotéis – ou pontos específicos – para pegar os passageiros, com destino ao município sergipano de Canindé de  São Francisco. Em tese, esse trajeto (R$ 70 por pessoa – ida e volta – out/17) demoraria umas três horas, já que as duas cidades ficam a quase 200 km de distância, MAS sabem como é passeio turístico, né? Uns passageiros ficam prontos na hora, outros não… aí nem se iluda: da saída do seu hotel até Canindé serão quatro horas de viagem. hahaha

Chegando a Canindé de São Francisco, é necessário pegar um catamarã (R$ 100 por pessoa – out/17) para fazer o passeio pelos cânions.

Em média, da cidade até o ponto-chave do trajeto leva-se uma hora. E, sem exageros, é um tempo de desfrute à natureza impagável! As paisagens são lindíssimas e, por mais que você veja todas as imagens deste post e dos mais diversos existentes na internet, nenhuma delas define o que é, de fato, estar nesse lugar.

xingó 31 - deixemecontar

xingó - jéssica vieira 3- deixemecontar

xingó - jéssica vieira - deixemecontar

Se você não sabe o que vestir no passeio de catamarã, tem post com o look que usei aqui .

Na parada (que é mais ou menos de uma hora), é possível mergulhar nas águas do rio São Francisco em dois “cercadinhos”. Um com profundidade de 1,5m,  feito para crianças ou para quem não sabe nadar, e outro com 3m de profundidade, mais apropriado para quem tem experiência com a natação.

Como pratiquei dez anos de natação, escolhi a opção ‘adulta”, mas com a segurança reforçada dos “macarrõezinhos” kkkkk (não tem quem me faça confiar em água de rio!).

xingó - piscinas - deixemecontar

Mas o verdadeiro encanto da parada é fazer o passeio de barquinho a remo pelos cânions até a gruta do talhado (R$ 10 por pessoa  – out/17), onde se pode ver de pertíssimo toda a formação dos paredões. Um silêncio ensurdecedor e uma paz de fazer muita gente chorar, de verdade.

xingó - gruta do talhado

xingó 2- deixemecontar

xingó - gruta do talhado - jéssica vieira

xingó - gruta do talhado - jéssica vieira

Na volta, o catamarã nos deixa em seu marco inicial: o restaurante Karrancas. Lá, há a opção de buffet livre que custa R$ 39,90 (out/17) e a do menu a la carte.

xingó - restaurante Karrancas

Xingó - restaurante Karrancas

Xingó - restaurante Karrancas

Optei pelo buffet livre e, sinceramente? Não foi uma boa ideia.Havia uma variedade de acompanhamentos (saladas, arroz branco, à grega, integral, macarrão, feijão com caldo, tropeiro…) e opções de carne (carne vermelha, frango, peixe frito, moqueca de peixe…), mas não achei a comida saborosa, sabe? Faltava gosto, tempero, sei lá… :( Suco da fruta? Não tinha. A única opção era em garrafinha (acerola ou goiaba), o que me deixou bem irritada nessa hora, sério… E como não existe publicidade que pague a minha opinião, preciso ser honesta aqui.

Não posso dizer que as opções a la carte seguem o mesmo padrão (quero voltar lá para dar o meu veredito aqui), mas aconselho fortemente a dar uma olhada no cardápio caso você esteja acompanhado por mais uma pessoa ou em grupo. Às vezes, o preço compensa.

Depois do almoço, seguimos viagem de volta a Aracaju. Agora, sim, três horas de viagem, pois todo mundo estava exausto e queria voltar pra casa/hotel sem demora! kkkk

Cheguei por volta das 20h em casa e, embora cansativo, o passeio foi maravilhoso! Tranquilidade na estrada, bom atendimento dos funcionários, um guia (Eduardo) atencioso, acho que essas coisas fazem muita diferença na escolha de uma agência de viagem ea Nozes Tur preencheu todos os meus – exigentes – pré-requisitos.

Xingó – sobre acessibilidade

Como sei que muitas pessoas que me acompanham também têm algum tipo de deficiência, gostaria de falar um pouco sobre isso por aqui.

Como o trajeto turístico Aracaju-Canindé é feito de van/ônibus (mas você também pode ir de carro próprio ou alugado), pessoas com deficiência visual, auditiva ou cognitiva não terão empecilhos. Já as pessoas com deficiência motora devem verificar se há disponibilidade de algum acento conforto ou de espaço para a cadeira de rodas. Normalmente, os veículos dispõem de uma dessas possibilidades.

Desde a chegada aorestaurante  Karrancas até o embarque ao catamarã também existem rampas que facilitam o acesso de cadeirantes. o que achei maravilhoso! Inclusive, dentro do catamarã existe espaço sinalizado para cadeira de rodas. ♥

xingó - acessibilidade - deixemecontar

Acredito que a única limitação, para alguns, seja o passeio de barco a remo, mas não fazê-lo não tira a beleza e o significado do passeio, sabe? O importante é sentir a paz do lugar.Vendo bem ou não, ouvindo bem ou não, podendo se locomover em pé ou não…

Particularmente, minha deficiência visual não me impediu de realizar o passeio, sobretudo o de barco a remo. Claro que fiquei um pouco receosa no início, mas era um receio comum a todos: o de cair na água gelada do rio! Como todos embarcam com colete salva-vidas e o  trajeto é bem pequenininho (dez minutos), o medo foi uma picadinha de injeção, nem deu pra sentir direito! hahahaah

Ir a Xingó não é só conhecer os cânions do rio São Francisco, é ter um momento de amor com a própria alma e com a natureza, que, num silêncio profundo, diz: “Olhe como tudo é tão pequeno diante do curso deste rio e da vida, menina…” ♥

Gostou do post? Então confira:

Jéssica Vieira
Jéssica Vieira
09 de Fevereiro de 2017

Promenade Toscanini: minha hospedagem em BH

Brasil, Viagem

Quando decidi viajar para Belo Horizonte, em outubro do ano passado, uma das minhas grandes dúvidas era onde me hospedar. Já contei várias vezes por aqui que considero a escolha da hospedagem algo importantíssimo para já ir entrando no clima do destino.

Ao menos para mim, uma viagem à praia requer uma hospedagem sem grandes ostentações. Já um lugar histórico, uma acomodação que remata ao seu passado. Uma viagem ao campo, algo mais rústico e assim por diante.

Mas e se o lugar for histórico e contemporâneo ao mesmo tempo? Se for calmo, alegre e tiver um povo com a fama de acolhedor e de “come quieto”? hahaha

Então pensei numa hospedagem confortável, bem localizada e próxima a tudo: o Promenade Toscanini.

promenade toscanini (1)

A cama é grande e super confortável #Pracegover : Foto da cama de casall, com lençol e travesseiros brancos, e cabeceira verde. Ao lado esquerdo, cortinas brancas, poltrona marrom e uma luminária de pé.

Foi a primeira vez que me hospedei num hotel da rede e posso dizer que minha experiência foi maravilhosa. Tanto que, após as diárias reservadas, fui conhecer as cidades históricas de Ouro Preto e Mariana e, na volta, fiquei hospedada no Promenade Toscanini novamente.

promenade toscanini (2)

#Pracegover : Foto de parte da cama de casal. Do lado direito, criado-mudo com abajur e um quadro na parede, que está refletido no espelho.

Nas duas ocasiões, fiquei no 12º andar (o hotel já disponibiliza a escolha de andares mais altos na reserva do Booking). Ambos os quartos eram amplos, com cama de casal confortável, poltrona e uma bancada para trabalho (com luminária direcional, o que achei ótimo).

Outra coisa que gostei bastante no quarto do Promenade Toscanini foi o banheiro. Amplo e com um chuveiro bem forte, gente! Algo que parece óbvio, mas é coisa rara de se ver hoje em dia, viu?

promenade toscanini (3)

#Pracegover : Foto do espelho do quarto, onde esta refletida a cama de casal

Não tirei foto do café da manhã (porque só me lembro quando já comi tudo mesmo kkkk), mas era bem variado e gostoso. Nesse quesito, uma curiosidade: não adianta criar expectativas de um banquete de pães de queijo dos mais variados tipos só porque você estará em terras mineiras. O café da manhã deles é igualzinho ao nosso. Com frutas, pães (nem todos de queijo), bolos, frios, sucos etc.

O serviço do restaurante para jantar também é só elogios. Quando cheguei, estava atrasada (novidade!) para o show de Sandy no Minascentro (lugar lindo, pertinho do hotel) e pedi jantar no quarto mesmo. Comida ótima e atendimento muito eficiente, o que se estendeu à equipe de recepção também.

Quando voltar a BH, sem dúvidas, quero me hospedar lá de novo!

Promenade Toscanini

Endereço: Rua Arthuro Toscanini, 61, Savassi
Contatos: 31 3064-2200 | toscanini@promenade.com.br

Jéssica Vieira
Jéssica Vieira
30 de novembro de 2016

Jericoacoara: roteiros, dicas e custos para chegar ao paraíso

Brasil, Viagem

Quem me acompanha nas redes sociais viu que, em outubro, estive em férias numa das praias mais lindas do Brasil: Jericoacoara, no litoral do Ceará.

jericoacoara-jessica-deixemecontar

(Fotos: Marcilio Costa <3 )

jericoacoara-tatajuba-deixemecontar

Jeri, como é carinhosamente chamada, já estava nos meus desejos de viagem há tempos, mas sempre ouvi dizer que, além de extremamente cansativa (cinco horas de Fortaleza a Jijoca – município onde fica a vila de Jeri – e mais uma hora de pura estrada de terra e muita, muuuuita areia), era absurdamente dispendiosa. Assim, fui deixando para depois…

jericoacoara-duna-deixemecontar

Duna do Pôr do Sol, um dos momentos mais marcantes da viagem

jericoacoara-pedrafurada-deixemecontar

Pedra Furada, um dos pontos turísticos mais emblemáticos de Jericoacoara

No entanto, esse “depois” chegou (pausa para o suspiro nostálgico ♥) e, a pedido de vocês, fiz um relato em vídeo sobre toda a viagem. Com roteiros, dicas e custos para quem quer chegar ao paraíso!

Afinal de contas, quanto custa viajar para Jericoacoara?

Postei mais fotos da viagem lá no Instagram (@blogdeixemecontar).

Quem aí já foi a Jericoacoara? Gostou? Deixe aqui nos comentários a sua experiência! Vou adorar saber :)

Jéssica Vieira
Jéssica Vieira